China pede aos EUA fim da 'repressão' à Huawei

Washington anunciou na sexta-feira novos controles de exportação para limitar o acesso da gigante chinesa à tecnologia de semicondutores. Na última semana, Washington ampliou restrições comerciais à empresa chinesa de tecnologia. REUTERS/Aly Song A China pediu aos Estados Unidos que ponham um fim à "repressão irracional contra a Huawei e as empresas chinesas", depois que Washington anunciou novos controles de exportação para limitar o acesso da gigante chinesa à tecnologia de semicondutores. "O governo chinês defenderá firmemente os direitos e os interesses legítimos e legais das empresas chinesas", afirmou o Ministério das Relações Exteriores em um comunicado divulgado neste sábado (16). O Ministério afirmou ainda que as iniciativas do governo Donald Trump "estão destruindo as cadeias globais de fabricação, abastecimento e valor". Na sexta-feira, Washington anunciou uma série de medidas que buscam tirar a Huawei do mercado global de semicondutores. O governo americano considera a empresa uma ameaça para a segurança nacional. O Departamento de Comércio dos EUA disse que essas medidas bloqueiam "os esforços da Huawei para burlar os controles de exportação dos EUA". De acordo com autoridades americanas, a gigante chinesa das telecomunicações conseguiu evitar sanções anteriores de Washington, recorrendo a fornecedores de chips e componentes em outras partes do mundo, mas que são fabricados com tecnologia americana. A empresa chinesa está sob extrema pressão de Washington. Com seu lobby, os EUA conseguiram que aliados no mundo todo evitassem os equipamentos desenvolvidos pela Huawei em nome da segurança.

China pede aos EUA fim da 'repressão' à Huawei
Washington anunciou na sexta-feira novos controles de exportação para limitar o acesso da gigante chinesa à tecnologia de semicondutores. Na última semana, Washington ampliou restrições comerciais à empresa chinesa de tecnologia. REUTERS/Aly Song A China pediu aos Estados Unidos que ponham um fim à "repressão irracional contra a Huawei e as empresas chinesas", depois que Washington anunciou novos controles de exportação para limitar o acesso da gigante chinesa à tecnologia de semicondutores. "O governo chinês defenderá firmemente os direitos e os interesses legítimos e legais das empresas chinesas", afirmou o Ministério das Relações Exteriores em um comunicado divulgado neste sábado (16). O Ministério afirmou ainda que as iniciativas do governo Donald Trump "estão destruindo as cadeias globais de fabricação, abastecimento e valor". Na sexta-feira, Washington anunciou uma série de medidas que buscam tirar a Huawei do mercado global de semicondutores. O governo americano considera a empresa uma ameaça para a segurança nacional. O Departamento de Comércio dos EUA disse que essas medidas bloqueiam "os esforços da Huawei para burlar os controles de exportação dos EUA". De acordo com autoridades americanas, a gigante chinesa das telecomunicações conseguiu evitar sanções anteriores de Washington, recorrendo a fornecedores de chips e componentes em outras partes do mundo, mas que são fabricados com tecnologia americana. A empresa chinesa está sob extrema pressão de Washington. Com seu lobby, os EUA conseguiram que aliados no mundo todo evitassem os equipamentos desenvolvidos pela Huawei em nome da segurança.